segunda-feira, 11 de julho de 2011

O chochman - recorte

«O chochman»

[…] O dia de trabalho começava na vasta sala em que as luzes nunca se apagavam apesar das grandes janelas de vidro que davam sobre milhares e milhares doutras janelas, pela cidade afora. Despi o casaco e sentei-me no meu lugar, ao teclado. O meu jovial companheiro de secretária, Antero, o mais sensato organizador de recortes do mundo, veio lá de trás, de junto de um grupo que se instalava, e desmoronou-se, pesado, na cadeira, que exalou um queixume soprado e deslizou um pouco sobre o rodado de titânio.

            Bem-disposto? Sabe o que a Marcela anda a dizer de si?

            Poupe-me, por favor protestei.

            Que não trouxe o seu chochman. E que, apesar disso, embolsou a schackmine.

            Tive um baque.

            Estou-me borrifando segredou-me ele. Deu-me uma rápida palmada no ombro e começou a trabalhar nos seus papéis. Não me dirigiu a palavra durante mais de uma hora, mas reparei que, disfarçadamente, me rasava com breves olhares de esguelha.

            Naqueles tempos ainda vigoravam algumas leis. Naquela casa cumpria-se, tradicionalmente, teimosamente, porque esse direito tinha sido universalmente desregulamentado, o intervalo para almoço. Eu estava à espera, com ansiedade, que o momento chegasse. Durante a pausa, fugiria de todos, enfiar-me-ia nos lavabos, ou passearia nos corredores, de modo a que não reparassem em mim. Nunca pensei que uma coisa assim pudesse acontecer-me: sentir uma schackmine ilegítima no bolso, e estar desmunido do meu chochman, quando ele não faltava a mais ninguém.

            Não sabia porquê. O facto é que não o tinha! A pérfida Marcela notou logo. Agora toda a gente já sabia. O recepcionista, antes. E tudo começara com ele a observar-me de modo diferente. Bem que podia desde logo ter-me avisado, em vez de graduar o sorriso e me estender a schackmine… […]

 Mário de Carvalho, O homem do turbante verde e outras histórias, Lisboa, Caminho, 2011, pp. 147-8


O Chochman - Epígrafe

O chochman

CHOCHMAN Faz parte do calão theatral. Quando um actor, na linguagem de bastidores, se refere a um desconhecido, a um sujeito caricato, a um ente imaginário, ou a alguém a quem se não póde ou não convém nomear, diz-se: o chochman. O fallecido actor-autor Baptista Machado, quando em scena não sabia o que havia de dizer, por se não lembrar do papel, fallava rapida  e atrapalhadamente, dizendo phrases inintelligíveis e mettendo sempre de permeio o chochman que para ele era o salvaterio, empregando-o como substantivo, adjectivo, verbo ou adverbio!

Sousa Bastos, Diccionario do Theatro Portuguez, Lisboa, 1908

Mário de Carvalho, O homem do turbante verde e outras histórias, Lisboa, Caminho, 2011, p. 145

sexta-feira, 1 de julho de 2011

«O chochman» - lançamento para falhar

Prematuro, este território.

Ficará letárgico, até Setembro.

Acordará, então, para ser o que tiver que ser.

Título de um dos 10 contos do último livro de Mário de Carvalho:
O homem do turbante verde.
Tem sido uma das leituras das últimas semanas.

R. leu o último, hoje de manhã, de pé, pelas 12:30, na ISS,.